Notícias sobre Astronomia

Loading...
Página optimizada para ser apresentada com o Chrome. Se usa um browser diferente, poderá encontrar dificuldades na utilização ou visualização de alguns items.
O Internet Explorer é, em particular, conhecido por apresentar problemas e descaracterizar a formatação original dos textos.

sábado, 8 de Dezembro de 2012

Ursa Minor ( Ursa Menor )




Dados da constelação:
Abreviatura oficial:  UMi
Genitivo usado para formar o nome das estrelas:  Ursae Minoris
Possível de se observar na totalidade entre as latitudes:  90°N – 0° 
Possível de se observar parcialmente entre as latitudes: 
24°S 
Culminação à meia-noite - data em que passa mais tempo visível à noite:  13 Mai


Constelação famosa, por conter a estrela Polar, poucos são aqueles que a conseguem localizar e reconhecer no céu, por ser composta por estrelas relativamente ténues. Mesmo a mais célebre, a Polar, não é, ao contrário do que alguns pensam, uma estrela muito brilhante. A sua magnitude alcança apenas 2.0 , visível com facilidade a olho nu mas não se destacando de uma série de outras muito mais óbvias no céu - a Polar ocupa um modesto 47º lugar na lista das estrelas mais brilhantes de todo o céu nocturno. Localize-se esta constelação usando como referência duas estrelas da Ursa Maior - Dubhe e Merak apontam para a estrela Polar.


É uma constelação antiga, cujo primeiro registo histórico se atribui ao fenício Tales de Mileto ( 625 a.C.- 545 a.C. ), famoso filósofo nascido em Mileto, que na altura fazia parte do império grego. Ao contrário dos Gregos, que se guiavam no céu do hemisfério Norte pela constelação da Ursa Maior, os Fenícios usavam como referência a Ursa Menor, tal como fazemos hoje em dia. De referir que, no tempo de Tales, esta se encontrava mais distante do Pólo Norte Celeste do que actualmente, estando a precessão dos equinócios a levar a estrela Polar para o ponto que assinala o pólo ( a maior aproximação a este ponto acontecerá em 2100, altura em que começará a afastar-se gradualmente até ser substituída pela estrela Alderamin, da constelação de Cefeu, por volta de 7500 d.C. ). Este movimento aparente das constelações no céu explica porque não era ainda, na altura, consensual qual das duas se encontrava mais próxima do pólo. Mas Tales de Mileto não " inventou " a constelação da Ursa Menor - tendo origens fenícias, apenas introduziu os conhecimentos e práticas deste povo aos Gregos, justificando que o uso desta constelação como referência ao Pólo Norte Celeste era muito mais prático do que o da Ursa Maior.

As lendas mais conhecidas têm origem na cultura grega:
A Ursa Menor estava associada à figura de uma das ninfas que teriam sido amas de Zeus, de nome Ida. Segundo a mitologia grega, Zeus era filho de Reia e Cronos, que devorava todos os seus filhos à nascença devido à crença de que um deles o iria subjugar ( profecia concretizada por Zeus ). Não conseguindo continuar a assistir a tamanha crueldade a sua esposa engana Cronos e entrega Zeus aos cuidados das ninfas Adastreia e Ida, que o amamentam da cabra sagrada Amalteia. Conta-se que o bebé era guardado por um grupo de soldados que batiam com as suas lanças nos escudos para evitar que o choro da criança fosse ouvido por Cronos. Mais tarde, Zeus teria homenageado Adastreia, Ida e Amalteia, colocando as duas ninfas no céu, nas constelações da Ursa Maior e Ursa Menor ( respectivamente ) e a cabra Amalteia como a estrela " Capella " ( da constelação de Auriga ).
A razão de ter transformado as ninfas em Ursas não é conhecida. A lenda também não explicava o porquê de ambas as Ursas apresentarem uma longa cauda, pois nenhum urso a possui, mas assumiu-se que estas teriam surgido devido ao impulso com que Zeus as teria atirado para o céu, segurando-as por essa parte do corpo.
Uma lenda específica da Ursa Menor refere que a sua cauda estaria fixa ao Pólo Norte Celeste, esticando com o peso do corpo do animal enquanto este é arrastado em redor do pólo.

Ainda segundo alguns relatos sobre a mitologia da Ursa Menor e constelações vizinhas, as Ursas seriam igualmente vistas como os animais que puxam uma carroça dirigida pelo homem representado na constelação de Boötes, fazendo rodar o céu em torno do pólo.

Lendas mais antigas viam as estrelas desta constelação simplesmente como um grupo de irmãs que para os Gregos seriam as Hespérides, filhas de Atlas que habitavam o Jardim das Hespérides referido num dos doze trabalhos de Héracles ( para os Romanos, Hércules ). Este mito identificava as constelações vizinhas com personagens do mesmo episódio, sendo o Dragão o animal mítico que guardava as maçãs de ouro do Jardim das Hespérides enquanto Boötes representava Héracles. Outros visualizavam nas estrelas da Ursa Menor as asas do Dragão.




Objectos celestes mais notáveis:



- NGC 3172 - o único objecto de algum interesse nesta constelação é esta galáxia de Mag. 13.6 , só acessível, na observação directa, com telescópios de abertura superior a 200 mm. Não obstante, é notável por ser o objecto celeste do catálogo NGC mais próximo do Pólo Norte Celeste. É por isso conhecida como Polarissima Borealis, por oposição à sua congénere do Sul ( NGC 2573 ), na constelação de Octans.














Localizem-se as estrelas e objectos celestes da constelação no mapa:



Clicar na imagem para ampliar o mapa

 Mapa com fundo branco 

Se está a fazer observações do céu enquanto consulta esta página, desaconselha-se a visualização do mapa abaixo ( não clique na imagem ); a exposição a uma imagem tão clara fá-lo-á perder temporariamente a adaptação dos olhos à obscuridade, reduzindo a capacidade de distinguir pormenores mais finos. Esta adaptação, com o intuito de obter a melhor visão nocturna possível, é essencial nas observações astronómicas e demora cerca de 20-30 minutos a alcançar. A exposição à luz ( ou a um fundo branco ) reverte o processo de forma imediata, obrigando-o a esperar algum tempo para que os seus olhos se adaptem novamente à obscuridade.

Clicar na imagem para ampliar o mapa

Note-se uma curiosidade relativamente a 4 das estrelas principais desta constelação: α (Alfa), γ (Gama), ε (Épsilon) e η (Eta) apresentam magnitudes muito próximas de 2.0 , 3.0 , 4.0 e 5.0 , respectivamente, pelo que são usadas, não só para que se aprenda a identificar qual a magnitude correcta de uma estrela, como também para que se possa aferir da qualidade ( visibilidade ) do céu em cada noite ou local.

Existem alguns asterismos famosos na Ursa Menor:

- β (Beta) + γ (Gama) são conhecidas como sendo as Guardas do Pólo.
- α (Alfa) + β (Beta) + γ (Gama) + δ (Delta) + ε (Épsilon) + ζ (Zeta) + η (Eta) formam o desenho conhecido como Pequena Caçarola ou Pequena Colher de Concha ( " Little Dipper " ).




Estrelas mais notáveis:


- α (Alfa), tem o nome próprio Polar ou Polaris por ser, de entre as estrelas visíveis a olho nu, a que actualmente se encontra mais próxima do pólo. O que a maioria desconhece é que esta designação está intrinsecamente associada à definição atrás referida. Por esta razão, qualquer estrela - visível a olho nu - que se torne mais próxima do Pólo Norte Celeste do que a Alfa da Ursa Menor, passará a usufruir da designação " Estrela Polar ", para além de, eventualmente, já possuir um nome próprio.
Da mesma forma, a designação " Polar " ou " Polaris " está associada simultaneamente, não apenas a uma, mas a duas estrelas - a mais próxima do Pólo Norte Celeste e a mais próxima do Pólo Sul Celeste. Por isso, a que mais próxima se encontra do pólo Sul ( actualmente, a Sigma da constelação de Octans ( σ Octantis ) ) designa-se Polaris Australis, enquanto esta sua congénere do Norte é conhecida, de uma forma mais extensa do que as denominações anteriormente apresentadas, como Polaris Borealis.
Apesar de se encontrar bastante próxima do Pólo Norte Celeste ( um ponto imaginário que faz corresponder o pólo Norte terrestre com um ponto no céu ), a estrela Polar ainda está afastada desse local cerca de 0,75º.
Devido ao movimento de precessão da Terra, a Polar deslocar-se-á na direcção do Pólo Norte Celeste até se encontrar a apenas 0,45º desse ponto, no ano 2102, começando então a afastar-se novamente e acabando por ser substituída por outras futuras estrelas Polares.

Localize-se a Polar: Clicar na imagem para ampliar
A actual Polar é uma supergigante amarela que, contrariamente a uma crença bastante generalizada, não é uma das estrelas mais brilhantes do céu, apresentando uma modesta Magnitude de 2.0 pelo que, apesar de facilmente visível a olho nu, torna-se difícil de identificar para a maioria das pessoas, que não conhece a esfera celeste nem sabe guiar-se nela.
Na verdade, é bastante simples: se traçarmos uma linha recta a partir de duas estrelas da Ursa Maior, a Polar é a estrela mais brilhante ( sem margem para qualquer dúvida ) que encontramos nessa direcção - consulte-se a 1ª imagem à direita.





Polar ( Alfa Ursae Minoris )
Com um telescópio modesto é possível distinguir uma dupla ( de natureza física, pois a proximidade entre ambas é real ), embora se aconselhem céus transparentes e escuros para que esta observação seja possível, devido à enorme diferença de magnitudes e à proximidade entre as constituintes.
Na verdade, uma terceira componente, impossível de se observar com telescópios amadores, faz da Polar um sistema triplo.
Apesar de ser uma estrela variável, do tipo Cefeide, as alterações no seu brilho são praticamente imperceptíveis a olho nu.
Localiza-se a cerca de 430 anos-luz de distância de nós.
Observe-se a dupla principal que a compõe na imagem ao lado.




- β (Beta), tem o nome próprio Kochab, de significado obscuro, visto que se traduz do árabe simplesmente por..." Estrela ". Kochab já foi, no passado, a estrela mais próxima do Pólo Norte Celeste e existem registos históricos que a identificam como sendo a " Estrela Polar " - talvez tenha sido este facto que motivou o seu nome árabe, no sentido em que poderia ser vista como a mais importante estrela de entre todas e, portanto, merecedora da designação " A Estrela ". É uma gigante alaranjada de Mag. 2.1 .
- γ (Gama), tem o nome próprio Pherkad, de uma expressão árabe que denominava simultaneamente duas estrelas diferentes - a Gama e a Beta da Ursa Menor - e que significava " os dois vitelos ", que os Árabes visualizavam representados por este par. É uma estrela branco-azulada de Mag. 3.1 .
- δ (Delta), tem o nome próprio Yildun. Esta expressão deriva do turco e possui o mesmo significado, provavelmente pelos mesmos motivos, que a " Kochab " dos Árabes ( leia-se, acima, o texto sobre a Beta desta constelação ). É uma estrela branco-azulada de Mag. 4.4 .
- ε (Épsilon), é uma gigante amarela de Mag. 4.2 . Possui uma companheira mais apagada, à qual está ligada pela gravidade ( pelo que, na verdade, se trata de uma dupla física), que pode ser observada com telescópios de abertura igual ou superior a 150 mm.
- ζ (Zeta), é por vezes conhecida como Alifa al Farkadain. Esta designação resultou de mais um dos frequentes erros de interpretação dos textos árabes. Alifa al Farkadain significa " o menos brilhante dos dois vitelos " e referia-se originalmente à estrela Gama desta constelação que, juntamente com a Beta representavam, para os Árabes, dois vitelos. É uma estrela branco-azulada de Mag. 4.3 .
- η (Eta), é por vezes conhecida como Anwar al Farkadain. A atribuição deste nome resulta do mesmo erro referido acima relativamente à Zeta. Neste caso, Anwar al Farkadain significa " o mais brilhante dos dois vitelos " e referia-se originalmente à estrela Beta desta constelação. É uma estrela branca de Mag. 5.0 .





_____________________________________________________________________________________________

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...