Página optimizada para ser apresentada com o Chrome. Se usa um browser diferente, poderá encontrar dificuldades na utilização ou visualização de alguns items.
O Internet Explorer é, em particular, conhecido por apresentar problemas e descaracterizar a formatação original dos textos.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Triangulum Australe ( Triângulo Austral )


Na ilustração vemos o desenho visualizado por Lacaille para a constelação do Triângulo Austral - denominada " Libella " pelo astrónomo francês, visto que o mesmo pretendia identificar nesta figura celeste um esquadro de nível ( " Libella " significa " Nível " ), instrumento usado pelos pedreiros.


Dados da constelação:
Abreviatura oficial:  TrA
Genitivo usado para formar o nome das estrelas:  Trianguli Australis
Possível de se observar na totalidade entre as latitudes:  19°N – 90°S 
Possível de se observar parcialmente entre as latitudes: 
29°N 19°N 
Culminação à meia-noite - data em que passa mais tempo visível à noite:  23 Mai


Constelação moderna, originalmente denominada Triângulo Austral ou Triângulo do Sul, foi introduzida pelos navegadores holandeses Pieter Keyser e Frederick de Houtman, que cartografaram o céu do hemisfério Sul entre 1595 e 1597. Foi posteriormente confirmada por Lacaille em 1754, que lhe alterou a configuração e o nome para nela identificar um " Esquadro de Nível ", em homenagem à Arte de pedreiro, visto que o astrónomo francês pretendia associar as constelações do hemisfério Sul a objectos simbólicos da evolução dos conhecimentos da Humanidade nas Artes ( ou Ofícios ) e nas Ciências. Aquando da divisão oficial do céu em 88 constelações com fronteiras precisas, a I.A.U. ( União Astronómica Internacional ) optou por recusar a versão de Lacaille, a favor da figura original dos navegadores holandeses.
O Triângulo Austral é relativamente fácil de se localizar no céu, não só por conter algumas estrelas facilmente identificáveis a olho nu, como também pelo formato óbvio que estas desenham e pela proximidade de duas das estrelas mais brilhantes de todo o céu, da constelação vizinha do Centauro, conhecidas pelos nomes próprios " Rigil Kent " e " Hadar ".


Por ser de origem moderna, não possui qualquer lenda associada.




Objectos celestes mais notáveis:



- NGC 6025 - um enxame estelar aberto de Mag. 5.1 , observável com binóculos.



















 Localizem-se as estrelas e objectos celestes da constelação no mapa:


Clicar na imagem para ampliar o mapa

 Mapa com fundo branco 

Se está a fazer observações do céu enquanto consulta esta página, desaconselha-se a visualização do mapa abaixo ( não clique na imagem ); a exposição a uma imagem tão clara fá-lo-á perder temporariamente a adaptação dos olhos à obscuridade, reduzindo a capacidade de distinguir pormenores mais finos. Esta adaptação, com o intuito de obter a melhor visão nocturna possível, é essencial nas observações astronómicas e demora cerca de 20-30 minutos a alcançar. A exposição à luz ( ou a um fundo branco ) reverte o processo de forma imediata, obrigando-o a esperar algum tempo para que os seus olhos se adaptem novamente à obscuridade.

Clicar na imagem para ampliar o mapa


Estrelas mais notáveis:


- α (Alfa), tem o nome próprio Atria, atribuído pelos navegadores holandeses responsáveis pela introdução desta constelação, que resulta da contracção da designação latina da estrela - " Alpha Trianguli Australis ". É uma dupla física ( a proximidade entre as constituintes é real ) impossível de se observar separada nas componentes individuais com instrumentos ópticos, cuja estrela principal é uma gigante alaranjada de Magnitude 1.9 .
- β (Beta), é uma gigante amarelada de Mag. 2.9 , a apenas 40 anos-luz de distância.
- γ (Gama), é uma gigante esbranquiçada de Mag. 2.9 .
- δ (Delta), é uma supergigante amarela de Mag. 3.9 .




_____________________________________________________________________________________________

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...