Página optimizada para ser apresentada com o Chrome. Se usa um browser diferente, poderá encontrar dificuldades na utilização ou visualização de alguns items.
O Internet Explorer é, em particular, conhecido por apresentar problemas e descaracterizar a formatação original dos textos.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Puppis ( Popa )




Dados da constelação:
Abreviatura oficial:  Pup
Genitivo usado para formar o nome das estrelas:  Puppis
Possível de se observar na totalidade entre as latitudes:  39°N – 90°S 
Possível de se observar parcialmente entre as latitudes:  78
°N 39°N
Culminação à meia-noite - data em que passa mais tempo visível à noite:  8 Jan


Argo Navis - clicar para ampliar a imagem
Esta constelação fazia parte de uma maior, bastante antiga, chamada Argo Navis ( O Navio ou, segundo o título original, O Navio " Argo " ), que foi dividida por Lacaille, em 1754, em 3 constelações modernas: Quilha, Vela e Popa. Uma quarta, " Pyxis " ( a Bússola ), foi idealizada pelo astrónomo francês usando estrelas que desenhavam parte do mastro da figura.
Segundo a mitologia grega, a antiga " Argo Navis " representava o navio que Jasão e os Argonautas usaram na sua busca pelo Velo de Ouro ( associado no céu à constelação de Aries ). Do navio é apenas visível a metade posterior, tendo a tradição definido que o resto da embarcação não era visível por estar envolta em nevoeiro, ou porque o episódio celebrado nesta constelação se referia ao momento em que o Argo se lançara na travessia dos Rochedos Azuis que estariam, por isso, a ocultar a proa.        
A Popa representa, como o nome indica, a popa do navio Argo. Localiza-se com facilidade, não por conter estrelas muito brilhantes, mas por se encontrar entre as duas estrelas mais brilhantes do céu: Sírio ( da constelação vizinha do Cão Maior ) e Canopo ( da constelação vizinha da Quilha ( Carina ) ).


Numa particularidade única entre as constelações modernas, a designação das estrelas pelo sistema mais conhecido e usado ( classificação de Bayer ), continua a considerar a constelação ( em desuso oficial ) de Argo Navis como um todo. Por isso, as estrelas catalogadas como Alfa e Beta encontram-se na constelação oficial da Quilha, mas a Gama e Delta encontram-se na Vela, a Eta na Quilha, Zeta na Popa, e por aí fora.




Objectos celestes mais notáveis:




- M 46 - um enxame estelar aberto de Mag. 6.1 , visível com binóculos.






- NGC 2438 - note-se, na mesma imagem ao lado, uma pequena nebulosa em tons de azul ( quase ao centro da imagem, mas um pouco acima e do lado esquerdo ) - esta é a NGC 2438, uma nebulosa planetária de Mag. 10.1 , visível com telescópios de abertura superior a 150 mm.



- M 47 - um enxame estelar aberto de Mag. 4.4 , visível a olho nu em céus escuros e, portanto, observável com binóculos.
















- M 93 - um enxame estelar aberto de Mag. 6.2 , muito interessante de se observar com binóculos.












- NGC 2298 - um enxame estelar globular de Mag. 9.3 observável com telescópios modestos, apesar de se apresentar algo ténue nestes instrumentos.













- NGC 2439 - um enxame estelar aberto de Mag. 6.9 , observável com telescópios modestos.











- NGC 2440 - uma nebulosa planetária de Mag. 9.4 , bastante difícil de se localizar mesmo com telescópios de abertura superior a 150 mm, por ser bastante ténue e apresentar dimensões reduzidas. 














Na imagem seguinte são apresentados dois enxames estelares abertos possíveis de se observar em simultâneo:

- NGC 2451 - em cima, do lado direito, à volta da estrela em tons laranja que se destaca de todas as outras ( denominada "C Puppis" ) vemos o enxame estelar aberto NGC 2451, de Mag. 2.1 . Observável a olho nu, é um objecto muito interessante para quem possua binóculos.





- NGC 2477 - em baixo, do lado esquerdo, vemos um aglomerado de estrelas denominado NGC 2477. É um enxame estelar aberto de Mag. 5.8 , visível com binóculos.








- NGC 2467 - um enxame estelar aberto, com uma nebulosa associada. O enxame de estrelas apresenta uma Mag. de 7.1 , sendo observável com telescópios modestos. A nebulosa que o rodeia só é visível através de telescópios de abertura superior a 200 mm.










- NGC 2546 - um enxame estelar aberto de Mag 6.3 , visível com binóculos.

















- Cr 135 - ( Collinder 135 ), um enxame estelar aberto bastante disperso, observável com binóculos. A designação " Collinder 135 " deve-se ao facto de constar de um catálogo de enxames estelares abertos, muito célebre entre os astrónomos amadores, compilado por Per Collinder. Está assinalado no mapa abaixo com um círculo vermelho e textualmente.






Uma noção mais esclarecedora do seu aspecto pode ser obtida nesta outra imagem: http://www.hvezdnouoblohou.wz.cz/image_content/lodnizad/image041.jpg





Localizem-se as estrelas e objectos celestes da constelação no mapa:



 Mapa com fundo branco 

Se está a fazer observações do céu enquanto consulta esta página, desaconselha-se a visualização do mapa abaixo ( não clique na imagem ); a exposição a uma imagem tão clara fá-lo-á perder temporariamente a adaptação dos olhos à obscuridade, reduzindo a capacidade de distinguir pormenores mais finos. Esta adaptação, com o intuito de obter a melhor visão nocturna possível, é essencial nas observações astronómicas e demora cerca de 20-30 minutos a alcançar. A exposição à luz ( ou a um fundo branco ) reverte o processo de forma imediata, obrigando-o a esperar algum tempo para que os seus olhos se adaptem novamente à obscuridade.

Clicar na imagem para ampliar o mapa



Estrelas mais notáveis:


- ζ (Zeta), tem o nome próprio Naos, do grego significando " Navio ", mas também era conhecida pelos antigos Árabes sob a designação Suhail Hadar, de origem algo obscura embora se possa traduzir por " estrela brilhante do solo " - provavelmente relacionada com uma representação celeste particular, em que esta estrela assinalaria a margem do mar ou rio onde navegava o navio. Esta supergigante azul possui algumas características bastante invulgares: é uma das estrelas mais brilhantes - em termos de magnitude absoluta - da nossa galáxia, excepcionalmente quente, e uma estrela " errante ", visto que viaja a uma velocidade extremamente alta para a média das que povoam a Via Láctea. Provavelmente terá sofrido um impulso motivado por algum fenómeno originado por uma estrela vizinha ou pela interacção gravítica com outras. Apresenta uma Magnitude de 2.2 .
- ν (Niú), é por vezes mencionada pelo nome próprio, raramente usado, Kaimana, expressão usada por alguns povos das ilhas do Pacífico para designar " a força do mar ". É uma estrela esbranquiçada de Mag. 3.2 .
- ξ (Csi), tem o nome próprio Asmidiske, uma deturpação do grego " Aspidiske ", nome próprio da estrela Iota da constelação da Quilha e que significa " o pequeno escudo " - ambas assinalam escudos ornamentais imaginados no Navio Argo. É uma dupla óptica ( a proximidade entre as estrelas que a constituem é apenas fruto da perspectiva ), fácil de se observar separada nas duas componentes individuais com uns binóculos. Apresenta uma Mag. ( global ) de 3.3 .
- π (Pi), é por vezes mencionada pelo nome próprio Ahadi, de uma expressão árabe que significa " ter muita esperança ". É uma gigante alaranjada de Mag. 2.7 .
- ρ (Ró), tem o nome próprio Turais ou Tureis, de uma expressão árabe significando " o pequeno escudo ", em analogia com o termo grego " Aspidiske ". É uma gigante amarela de Mag. 2.8 , a apenas 63 anos-luz de nós.
- σ (Sigma), é por vezes mencionada pelo nome próprio, raramente usado, Hadir, de significado obscuro mas que pode ter origem no árabe, referindo-se ao " acampamento ". É uma estrela amarelada de Mag. 3.2 .
- τ (Tau), tem o nome próprio El Rehla ou Al Rihla, de uma expressão árabe significando " a viagem " ou " a epopeia ". Também era conhecida pelos Gregos como Anazitisi, significando " a epopeia ". É uma gigante amarela de Mag. 3.0 .
- k, tem o nome próprio Markab, de uma expressão árabe que encerra o conceito de " veículo ", podendo ser associada a um Navio. Tenha-se em atenção que o uso deste nome tradicional tenderá a gerar confusões, pois a estrela Alfa da constelação de Pégaso, para além de muito mais célebre, partilha a mesma designação. É uma dupla óptica muito bela, fácil de se observar separada nas duas componentes individuais através de telescópios modestos. Apresenta uma Mag. ( global ) de 3.8 .
Note-se que a letra que lhe está associada é o k ( Capa minúsculo ) latino e não o k grego. Grosso modo, de forma a simplificar o conceito, costuma-se explicar que segundo o sistema de catalogação das estrelas de cada constelação mais célebre e usado - a denominação de Bayer -, foram atribuídas às 24 estrelas mais brilhantes as 24 letras ( em minúsculas ) do alfabeto grego, por ordem de brilho ( sendo a Alfa a mais brilhante e a Ómega a 24ª mais brilhante ). Na verdade o processo não foi tão linear assim - para mais esclarecimentos, consulte-se o link publicado atrás. Neste sistema, a catalogação prosseguia com o uso das letras minúsculas do alfabeto latino, continuando ainda, recorrendo-se às letras maiúsculas do mesmo alfabeto, até ao " Q ". Note-se que, como já foi referido anteriormente, as estrelas desta área do céu estão catalogadas considerando a figura de Argo Navis como um todo, reunindo as constelações da Quilha, Popa e Vela. Por isso, esta letra " k " faz sentido se se tiver em mente que Bayer classificou-a de entre todas as estrelas que compõem a figura de Argo Navis e não apenas da constelação da Popa.
- L 2, é uma gigante vermelha a cerca de 150 anos-luz de distância. Apresenta alterações apreciáveis de brilho, entre Mag. 2.6 ( visível a olho nu ) e 6.2 ( apenas visível com binóculos ) num ciclo de cerca de 141 dias.





_____________________________________________________________________________________________

Sem comentários:

Publicar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...