Página optimizada para ser apresentada com o Chrome. Se usa um browser diferente, poderá encontrar dificuldades na utilização ou visualização de alguns items.
O Internet Explorer é, em particular, conhecido por apresentar problemas e descaracterizar a formatação original dos textos.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Libra ( Balança )


Na ilustração as componentes principais [ α (Alfa) e β (Beta) ] estão assinaladas a vermelho.


Dados da constelação:
Abreviatura oficial:  Lib
Genitivo usado para formar o nome das estrelas:  Librae
Possível de se observar na totalidade entre as latitudes:  60°N – 90°S 
Possível de se observar parcialmente entre as latitudes:  89
°N 60°N
Culminação à meia-noite - data em que passa mais tempo visível à noite:  9 Mai


Embora não seja uma constelação óbvia, Libra é bastante fácil de se localizar no céu - procurem-se as suas duas estrelas mais brilhantes, no prolongamento da constelação do Escorpião.


Toda a área da Balança fazia, para os Gregos clássicos, parte do Escorpião, representando as suas pinças ou " garras ", até ter sido tornada numa constelação independente no Séc I a.C., pelos Romanos.
No entanto, a figura da Balança já era identificada milénios antes, pelos Babilónios, que nela viam um objecto transportado pelas garras do Escorpião. Apesar de não possuir uma lenda própria, costuma-se relacionar Libra com a constelação vizinha Virgo, pois esta última poderá representar a deusa grega Astreia ( ou Diké ), deidade da Justiça, sendo Libra a Balança com que a deusa pesa a justiça das coisas e das pessoas ou almas, bem como a duração do dia e da noite.



Objectos celestes mais notáveis:



- NGC 5897 - um enxame estelar globular de Mag. 8.6 , observável com telescópios modestos.








Localizem-se as estrelas e objectos celestes da constelação no mapa:


Clicar na imagem para ampliar o mapa

Mapa com fundo branco 

Se está a fazer observações do céu enquanto consulta esta página, desaconselha-se a visualização do mapa abaixo ( não clique na imagem ); a exposição a uma imagem tão clara fá-lo-á perder temporariamente a adaptação dos olhos à obscuridade, reduzindo a capacidade de distinguir pormenores mais finos. Esta adaptação, com o intuito de obter a melhor visão nocturna possível, é essencial nas observações astronómicas e demora cerca de 20-30 minutos a alcançar. A exposição à luz ( ou a um fundo branco ) reverte o processo de forma imediata, obrigando-o a esperar algum tempo para que os seus olhos se adaptem novamente à obscuridade.

Clicar na imagem para ampliar o mapa


Estrelas mais notáveis:


- α (Alfa), tem o nome próprio Zubenelgenubi, de uma expressão árabe que refere " a garra do Sul " ( do Escorpião ) - designação atribuída na altura em que fazia parte da constelação do Escorpião. É uma dupla física ( a proximidade entre as estrelas que a constituem é real ), cujas componentes são facilmente observadas separadas uma da outra através de uns binóculos. Hoje em dia é conhecida pelos pilotos e navegadores como Kiffa Australis, nome árabe para " o prato austral " da Balança. O sistema encontra-se a cerca de 70 anos-luz de nós e apresenta uma Magnitude ( global ) de 2.7 .
Kiffa Australis ( Alfa Librae ) - o par é visível abaixo do cometa Lulin ( a mancha esverdeada em 1º plano ).
 
- β (Beta), tem o nome próprio Zubeneschamali, de uma expressão árabe que refere " a garra do Norte " ( do Escorpião ) - designação atribuída na altura em que fazia parte da constelação do Escorpião. Hoje em dia é conhecida pelos pilotos e navegadores como Kiffa Borealis, nome árabe para " o prato boreal " da Balança. É uma anã branco-azulada de Mag. 2.6 . Devido a alguns fenómenos intrínsecos da própria estrela, nomeadamente o facto de desenvolver a rápida fusão do hidrogénio a uma temperatura bastante alta, apresenta uma ilusão de óptica curiosa que a torna famosa: é conhecida como a estrela com tom mais esverdeado de todo o céu, especialmente quando observada com binóculos, cor bastante invulgar de se observar numa estrela ( não existem estrelas verdes, apenas ilusões de óptica que podem provocar esta tonalidade ). Este efeito é muito ligeiro e exige céus bastante escuros e ausência de poluição luminosa para que se torne perceptível.
- γ (Gama), tem o nome próprio, pouco usado, Zubenelakrab, de uma expressão árabe que refere " as garras " ( ou " pinças " ) ( do Escorpião ). É uma gigante amarela de Mag. 3.9 .
- δ (Delta), é por vezes referida pelo nome próprio, pouco usado, Zubenelakribi, da mesma expressão árabe que deu origem à denominação da estrela anterior ( Gama ), e igualmente à designação das estrelas Niú e Sigma desta constelação. O facto de estes nomes apresentarem tantas semelhanças leva a que se costume usar apenas, quando muito, o nome próprio atribuído à estrela Gama, pois todas estas outras variantes podem gerar uma intrincada confusão relativamente a que estrela nos pretendemos referir. Omitem-se deliberadamente neste texto todas as outras variações, atribuídas a outras estrelas. A Delta Librae é uma dupla física, variável eclipsante do tipo Algol ( protótipo desta classe de estrelas ), com alterações de brilho motivadas pelo constante " eclipse " entre as componentes, numa amplitude de brilho entre Mag. 4.9 e 5.9 em ciclos de cerca de dois dias.
- ι (Iota), é um sistema múltiplo de estrelas ligadas pela gravidade, de Mag. ( global ) 4.5 . Quando observada com binóculos a estrela desdobra-se nas duas componentes principais, enquanto que através de um pequeno telescópio o sistema mostra um trio.
- ν (Niú), é uma gigante alaranjada de Mag. 5.3 , já difícil de ser localizada sem o auxílio de instrumentos ópticos.
- σ (Sigma), é uma gigante vermelha de Mag. 3.2 . Apesar de estar catalogada com a 18ª letra do alfabeto grego é, na verdade, a 3ª estrela mais brilhante da constelação. Esta discrepância deve-se ao facto de ter sido originalmente classificada como Sigma quando ainda pertencia à constelação do Escorpião, tendo mantido a sua designação após ter sido assimilada em Libra. Apesar disso, podemos continuar a encontrar no Escorpião uma estrela ( diferente desta ) classificada com a mesma letra do alfabeto grego ( Sigma Scorpii ).
- τ (Tau), é uma gigante azulada de Mag. 3.6 .
- υ (Úpsilon), é um sistema duplo ou múltiplo de estrelas ligadas pela gravidade, cujas componentes se apresentam demasiado sobrepostas umas nas outras para que seja possível observá-las individualmente com instrumentos ópticos, de Mag. ( global ) 3.6 .





_____________________________________________________________________________________________

2 comentários:

  1. Eu gostei muito destas explicações sobre as estrelas da Constelação de Libra.
    Gostaria de pedir-lhe p'ra escrever sobre a estrela Gleiser 581.
    Obrigado.

    David Aguiar
    Rio de Janeiro,RJ

    ResponderEliminar
  2. Muito boas as explicações sobre a Constelação de Libra.
    Eduardo Runte.:
    Petrópolis

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...