Página optimizada para ser apresentada com o Chrome. Se usa um browser diferente, poderá encontrar dificuldades na utilização ou visualização de alguns items.
O Internet Explorer é, em particular, conhecido por apresentar problemas e descaracterizar a formatação original dos textos.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Capricornus ( Capricórnio )




Dados da constelação:
Abreviatura oficial:  Cap
Genitivo usado para formar o nome das estrelas:  Capricorni
Possível de se observar na totalidade entre as latitudes:  62°N – 90°S 
Possível de se observar parcialmente entre as latitudes:  78
°N 62°N
Culminação à meia-noite - data em que passa mais tempo visível à noite:  8 Ago


Constelação relativamente difícil de encontrar no céu, por ser constituída por estrelas pouco brilhantes, Capricórnio representa uma cabra com cauda de peixe e pode ser localizada usando-se como referência a proximidade das constelações do Sagitário e da Águia. Em latitudes que assim o permitam ( desde 90º Sul até 60º Norte, mesmo que observável apenas em certas alturas do ano nas latitudes mais a Norte ), a presença da brilhante estrela Fomalhaut ( do Peixe Austral ) no céu do observador é também uma ajuda valiosa na sua localização. Conhecendo-se, de forma geral, a área onde se encontra, procurem-se duas das suas estrelas mais brilhantes, Alfa e Beta ( ver mapa ), a partir das quais se torna mais simples visualizar o resto da figura.


É uma constelação muito antiga, pois a personagem que representa terá tido origem na cultura suméria, onde existem os primeiros registos de figuras sagradas resultantes da junção de duas metades de corpos distintos ( homem - animal ou animal - animal ). Para esta civilização, precedente dos Babilónios responsáveis pelo desenvolvimento das crenças da astrologia, a cabra com cauda de peixe era conhecida como " Suhur-Mash-Ha " e representava o seu deus anfíbio das águas doces, Enki. Os antigos Gregos adoptaram-na sob a designação " Aegoceros " ( " com chifres de cabra " ) e integraram-na na sua mitologia, associando-a a um dos seus deuses menores, Pã. Pã era o deus dos bosques, com corpo humano, dois chifres e duas patas de caprino, figura muito similar à que os Cristãos viriam a associar à figura do " Diabo " ou " Lúcifer ". De facto, conhecendo-se as características de , deus que se entregava a uma vida de luxúria nos campos e bosques, e devido ao facto de este ter sido objecto de culto nas religiões pagãs ( alvo preferencial de perseguição por parte da Igreja ) muito populares entre os habitantes das zonas rurais até à era moderna, rapidamente os eclesiásticos o associaram à imagem do pecado, com o fim de tentarem combater e pôr termo ao paganismo. Segundo a lenda grega, Pã foi o responsável por, durante a era das batalhas mitológicas pela supremacia sobre o universo entre os Titãs e os deuses do Olimpo, ter avisado Zeus e seus companheiros, soprando numa concha, da presença dos Titãs, aquando de uma investida que pretendia apanhar os deuses de surpresa. Num episódio posterior, Pã lançou o alerta sobre a aproximação do monstro Tífon, enviado por Gaia - a personificação da própria Terra. Para evitarem ser apanhados por Tífon, todos os deuses se metamorfosearam em animais, tendo Pã mergulhado num rio com a intenção de se transformar em peixe. No entanto, tomado pelo medo, acabou por assumir a figura muito pouco credível de uma cabra com corpo de peixe. Tífon conseguiu finalmente capturar e desfazer Zeus, mas valeria novamente aos deuses e seu líder o corajoso Pã que, juntamente com Hermes, refez o corpo de Zeus. Para os Gregos, esta batalha teria então terminado com a posterior captura de Tífon por Zeus, que viria a soterrá-lo para a eternidade sob o vulcão Etna, culminando a conquista da soberania dos deuses do Olimpo sobre todo o universo. Como homenagem pelo seu papel nesta vitória, a imagem de Pã teria sido para sempre imortalizada no céu, sob a figura do Capricórnio.


Objectos celestes mais notáveis:


- M 30 - a constelação do Capricórnio tem o seu maior motivo de interesse no objecto da lista de Messier M 30, um enxame estelar globular de Mag. 7.2 .  Apesar de ser visível com binóculos, apresentando o aspecto semelhante a uma estrela um pouco desfocada, torna-se muito mais interessante quando observado através de telescópios.






- NGC 6907 - uma galáxia espiral barrada de Mag. 11.3 , extremamente difícil de se observar com telescópios de abertura inferior a 150 mm, não só devido ao seu fraco brilho, mas principalmente por apresentar dimensões muito reduzidas.










Localizem-se as estrelas e objectos celestes da constelação no mapa:


Clicar na imagem para ampliar o mapa

Mapa com fundo branco

Se está a fazer observações do céu enquanto consulta esta página, desaconselha-se a visualização do mapa abaixo ( não clique na imagem ); a exposição a uma imagem tão clara fá-lo-á perder temporariamente a adaptação dos olhos à obscuridade, reduzindo a capacidade de distinguir pormenores mais finos. Esta adaptação, com o intuito de obter a melhor visão nocturna possível, é essencial nas observações astronómicas e demora cerca de 20-30 minutos a alcançar. A exposição à luz ( ou a um fundo branco ) reverte o processo de forma imediata, obrigando-o a esperar algum tempo para que os seus olhos se adaptem novamente à obscuridade.

Clicar na imagem para ampliar o mapa

 Estrelas mais notáveis:


Algiedi ( Alfa Capricorni )
- α (Alfa), tem o nome próprio Algiedi, do árabe, significando " o cabrito ". Na verdade é, não uma estrela apenas, mas um sistema múltiplo famoso, composto por 4 estrelas principais. De entre estas, as 2 que mais contribuem para o brilho de Algiedi formam um par célebre entre os astrónomos amadores, bastante belo de se observar, mesmo apenas com binóculos.
Não passa de um sistema óptico, visto que as duas estrelas se encontram na realidade bastante afastadas entre si no Espaço. Ambas são, em si próprias, estrelas duplas, embora seja necessário um telescópio de abertura igual ou superior a 200 mm para que se consigam distinguir as 4 componentes individuais deste sistema. De entre todas, apenas a Alfa 2 é uma verdadeira dupla física ( a proximidade entre as estrelas é real ), sendo este o par mais difícil de se observar separado nas suas constituintes individuais, mesmo através de telescópios potentes. Algiedi apresenta uma Magnitude ( global ) de 3.0 . As duas estrelas principais deste sistema podem ser vistas na imagem da direita.
Dabih ( Beta Capricorni )
- β (Beta), tem o nome próprio Dabih, de uma expressão árabe significando " as estrelas da sorte do carniceiro ( talhante ?...) " - alusiva a uma personagem que os antigos Árabes visualizavam nesta área do céu e cujo verdadeiro aspecto ou significado original se perderam nos tempos.
Sabe-se apenas que esta denominação se referia a duas estrelas em simultâneo - a Beta e a Alfa ( hoje em dia conhecida como " Algiedi " ). Dabih é um sistema duplo ( físico ) facilmente resolvido nas componentes individuais através de binóculos.
É uma das duas estrelas mais brilhantes da constelação, a par com a Delta Capricorni, ambas de Mag. 2.9 , suplantando a estrela Alfa.
- γ (Gama), tem o nome próprio Nashira, resultante de uma expressão árabe que se presume que pretendia designar igualmente a estrela Delta da constelação, mas cujo significado permanece relativamente obscuro - alguns autores referem que se traduz por " a(s) que traz(em) boas notícias ". É uma estrela branca de Mag. 3.7 .
- δ (Delta), tem o nome próprio Deneb Algiedi, do árabe, significando " a cauda do cabrito ". É uma estrela de Mag. ligeiramente variável, à volta de 2.9 , a apenas 39 anos-luz de distância.
- ζ (Zeta), é uma supergigante amarela de Mag. 3.7 .
- θ (Teta), é uma anã branca de Mag. 4.1 , por vezes conhecida pela denominação latina Dorsum, por assinalar o dorso do Capricórnio.



_____________________________________________________________________________________________

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...